Anuncie connosco
Pub
Notícias | Atualidade

Os 45 anos do 25 de abril

As Portas que Abril Abriu

6 de maio de 2019
Partilhar

Para Bernardino Soares, a Câmara de Loures “quis preencher um espaço vazio” no concelho: “Faltava no nosso concelho um monumento marcante do 25 de Abril, que pudesse testemunhar esse importante marco da nossa história no passado, no presente e para o futuro”.

A obra pode ser vista na rotunda da Avenida Nicolau Breyner, junto ao Parque Adão Barata, em Loures. Trata-se de investir numa obra de arte de forte impacto, trazendo ao espaço público uma escultura como símbolo de reconhecimento aos homens e mulheres que lutaram contra o regime fascista e a conquista da Liberdade. Inspirado no poema de Ary dos Santos, As portas que Abril abriu, José Aurélio criou um arco triunfal de 12 metros de portas abertas ao futuro, sendo, ainda, pontuado por 45 cravos que representam, simbolicamente, os 45 anos do 25 de Abril de 1974.

Do arco nascem 12 caminhos que simbolizam a Liberdade e a possibilidade de livre escolha e expressão. Os 12 caminhos conduzem a 12 espécies de arbustos que florescem em cada um dos meses, ao longo do ano.

José Aurélio, escultor reconhecido no meio artístico nacional e internacional, não quis deixar de manifestar a sua “satisfação por poder contribuir para, de uma forma perene, deixar bem assinalado as novas oportunidades que Abril abriu a Portugal”.

“Quem é anterior ao 25 de Abril lembra-se bem o que era este país e o que hoje Portugal representa na Europa e até no Mundo”, continuou. “Foi uma satisfação muito grande deixar esta marca. Espero que gostem e compreendam a força que o 25 de Abril teve, e que eu espero que continue a ter, para o bem de todos nós”, concluiu.

Ainda antes do descerramento da placa inaugurativa do monumento, Paulo Piteira, vice-presidente da Câmara de Loures, referiu que o objetivo é homenagear “não figuras ou nomes individuais, mas sim um enorme coletivo de homens e mulheres que contribuíram e não desistem de lutar pela Liberdade e pela democracia no nosso país e que, apesar de todas as insuficiências e de ainda não termos conseguido cumprir completamente o espírito de Abril, continuam a estar disponíveis para dar o melhor de si e das suas vidas para que o nosso país possa ter um futuro melhor”.

“Estamos a falar de trabalhadores, agentes económicos, dirigentes associativos voluntários, ativistas políticos e sindicais, pensionistas, jovens e tantos outros que diariamente se empenham na construção de um país melhor”.

“Esta é uma obra da cidade e do concelho de Loures que a todos pertence e que a todos justamente homenageia”, afirmou o presidente da Câmara de Loures.

“Homenageia os resistentes antifascistas que fizeram da sua luta o caminho para a revolução de Abril, valoriza os lutadores que desde o 25 de abril de 1974 se têm esforçado e batalhado para aprofundar e defender as suas conquistas, e incentiva os que sempre continuarão a defender os valores de Abril e a lutar pela concretização dos ideais e dos princípios do 25 de Abril”.

Bernardino Soares deixou ainda uma certeza: “Neste Município continuaremos a comemorar com prioridade e dignidade a revolução de Abril de 1974.

Continuaremos a respeitar o espírito da revolução de Abril, a defender as suas conquistas e a projetá-las no futuro quer do nosso concelho, quer do nosso país”.

“E este monumento há de ser uma porta aberta que ninguém mais vai cerrar, tal como ninguém cerra as portas que abril abriu”.

A cerimónia, onde participaram os vereadores Tiago Matias, Gonçalo Caroço, Sónia Paixão, Nuno Dias e Ivone Gonçalves, contou com a participação do dizedor de poesia, Pedro Freitas, que fechou a cerimónia com a declamação do poema As portas que Abril abriu.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter