Anuncie connosco
Pub
Notícias | Social

Notícias que têm vindo a público e divulgadas por fontes oficiais.

MENOS ACIDENTES DE VIAÇÃO E MENOS VÍTIMAS EM 2018

5 de fevereiro de 2019
Partilhar

Notícias que têm vindo a público e divulgadas por fontes oficiais revelam que os números da sinistralidade rodoviária em Portugal “não são animadores”, sendo que em 2018 o número de acidentes e de vítimas terá voltado a subir pelo segundo ano consecutivo.

No entanto, o ano de 2018 foi de contraciclo nos concelhos de Loures e de Odivelas pois a Divisão Policial de Loures e Odivelas da PSP registou, na sua área de responsabilidade, uma diminuição do número total de acidentes face a 2017 (-11%), bem como a diminuição do número de acidentes com vítimas (-10%).

Apesar dos resultados bastante positivos e animadores que foram obtidos no âmbito da segurança e da sinistralidade rodoviárias nos concelhos de Loures e de Odivelas durante o ano de 2018, este fenómeno obriga a constantes e sistemáticos aprimoramentos ou até mesmo dedicação por parte de todos os envolvidos, sejam as Instituições policiais, outras entidades oficiais, gestores de vias mas também da própria população, enquanto no papel de condutores e peões.

Por outro lado, será natural e igualmente fator de sucesso a continuação do empenho que tem sido imprimido pela Divisão Policial de Loures e Odivelas da PSP na identificação de causas que possam potenciar a sinistralidade rodoviária (inexistência/insuficiente/falta de sinalização, sinalização encoberta, deterioração das vias, iluminação deficiente, etc), juntando-lhes propostas/soluções técnico-policiais que são imediatamente reportadas às entidades gestoras das vias.

Torna-se assim necessário, para além do esforço que tem vindo a ser feito, dotar a PSP com os recursos adequados, de forma a poderem continuar a fiscalizar, com níveis de sucesso ainda maiores, a circulação rodoviária.

Na senda de resilientemente se empenhar no combate à sinistralidade rodoviária, durante o ano de 2018, a Divisão Policial de Loures e Odivelas da PSP apresentou perante a Justiça cerca de 900 condutores que se encontravam no exercício do ato de condução sem que para isso estivessem habilitados (falta de carta) ou sob a influência do álcool, o que representa respetivamente um aumento de 41% e de 7%, face a 2017. Para além de significarem uma extraordinária proatividade policial por parte da Divisão Policial de Loures e Odivelas da PSP, estes números revelam que persiste o cometimento de comportamentos graves e até mesmo criminosos em ambiente rodoviário que têm de ser banidos.

Também os peões devem ter a consciência de que se poderão constituir como um ou até mesmo “o” fator de risco, destacando-se a utilização de telemóveis e similares aquando em circulação, ato este que compromete decisivamente a sua segurança e a de terceiros, especialmente na travessia das vias, ocasião em que o peão é bastas vezes o infrator e a vítima em estado mais grave.


In fine, parece evidente que importa continuar os esforços de consciencialização e mobilização, de forma integral e integradora, de todas as Comunidades dos concelhos de Loures e Odivelas pois a Segurança também começa em cada um de nós!

 

Torna-se assim imperioso continuar a zelar pela garantia de boas condições de circulação das infraestruturas estradais, destacando-se as seguintes medidas:

 

  • A retificação de sinalização inapropriada, contraditória, danificada e/ou até mesmo inexistente, sobretudo em cruzamentos e entroncamentos;
  • A utilização de sinalização duplo-contínuo em locais com maior potencial de risco, como sejam ângulos mortos nas vias com maior circulação de viaturas e de pessoas;
  • A instalação de barreiras físicas (ex: pinos) que impossibilitem o estacionamento em zonas de risco, em especial antes e depois das passadeiras;
  • A colocação de semáforos e/ou/com temporizadores de velocidade, em vias de maior risco/sinistralidade;
  • A utilização de pavimentação retardadora de velocidade, sobretudo em vias com inclinação acentuada e/ou junto a aglomerados habitacionais, zonas comerciais e/ou estabelecimentos de ensino;
  • A ponderação da diminuição de limites de velocidade em zonas comerciais e junto a estabelecimentos de ensino;
  • A constante manutenção de iluminação pública em zonas de risco.

Última edição

Opinião