Anuncie connosco
Pub
Opinião
Filipe Esménio – Director
Filipe Esménio
Director

Mel de Cicuta

A morte é uma mentira

9 de abril de 2018
Partilhar

Foram mais de 100, o número de vezes em que ouvimos a Janis Joplin no Tóquio. Foram mais de 100, os jogos de futebol que jogámos juntos (nunca passavas a bola…). Foram mais de 100, os jogos de futebol que vimos juntos e raras as vezes em que concordávamos nas decisões dos árbitros, em particular, nos do Benfica vs Porto. Foram mais de 100, os dias de férias que passámos juntos com o Inglês e, às vezes, com o André, em vários continentes. Foram mais de 100, as noites que dormi em tua casa pelas mais diversas razões, sobretudo, em duas fases da minha vida que precisei de teto e de um amigo.

Terão sido mais de mil, as imperiais que bebi contigo enquanto bebias as tuas colas e me aturavas até às tantas da manhã. Mais de trinta anos de amizade quase diária e já nem sei quantos anos de trabalho nos jornais que dirigias.

Dezenas de milhar, as horas em que discutimos tudo, mulheres, política, futebol, religião, música, filmes e séries, ação social e até o futuro de Portugal. Discordámos muitas vezes, discutimos mesmo muitas vezes, mas foram muitas mais aquelas em que concordámos. Muitas mais.

Mas, isto não tínhamos discutido.

A tua partida com 43 anos, de forma súbita, sem pré-aviso nem alertas, nunca esteve em equação. A ideia de obra inacabada para quem tanto fez na defesa de ideais sociais, na defesa das suas convicções, nunca foi assunto que nos lembrás-
semos. Falar de alguém que, sem pudor, assumia a sua fé em Deus e, muitas vezes, alguma falta de fé em alguns homens, não esteve sobre a mesa.

O sentido de missão associado ao sentido de justiça estavam presentes em todos os teus passos, em todos os teus gestos. Em todas as tuas respirações.

A partida precoce de um «Herói» não deve ser idolatrada. Eras um homem, um homem de «Deus» como os outros, só que diferente e único.

E, como tal, sempre que punhas música no teu set de DJ de bolso, acabavas com a Hill Street Blues. Sempre gostei da série e, como para mim a morte é apenas mais uma mentira que os homens vão inventando, sei que partiste no arco-íris que se formou no dia da tua morte, não à procura de nenhum pote de ouro, mas sim, em busca de um futuro melhor para todos os ficaram neste plano.

Não é hora de carpir mas sim de fazer e sabes que nós por cá… vamos fazendo o que pudermos.

Última edição

Gala Notícias de Loures

Gala | Notícias de Loures

Opinião

Eleições

Newsletter